Desafio de drones inteligentes: equipe Aerorio/PUC-RIO é campeã do Silent MAV Challenge na International Micro Air Vehicle Conference And Competition (IMAV), na Austrália

febrae_drone_face

A equipe AeroRio, coordenada pelo Prof. Eduardo Costa da Silva, do Departamento de Engenharia Elétrica do Centro Técnico Científico da PUC-Rio (CTC/PUC-Rio), acaba de voltar da Austrália com o troféu de campeã do Desafio Silent MAV Challenge, ao participar pela primeira vez da International Micro Air Vehicle Conference and Competition (IMAV). Em sua décima edição, a competição de drones foi realizada em Melbourne, entre 17 e 23 de novembro, com a participação de duas equipes brasileiras e outras oito da China, Austrália, França, Polônia, Holanda e Alemanha. Além do troféu, a AeroRio/PUC-Rio também ficou em quinto lugar na categoria Indoor, conquistando a melhor posição entre as equipes brasileiras da IMAV 2018.

No Desafio Silent MAV, foi preciso projetar um drone de até 2 kg, capaz de carregar uma caixa de pizza de 500g por cinco minutos, e que emitisse o menor nível possível de ruído acústico em seu último minuto de voo. Durante a competição, o drone foi testado em uma sala com monitoramento acústico feito por um medidor de decibéis. O troféu de campeão foi conquistado após a organização comparar a emissão de ruídos da AeroRio/PUC-Rio com a de drones comerciais e confirmar que, apesar da carga que a equipe levava, os valores eram semelhantes e compatíveis.

Na categoria Indoor, a pontuação privilegiou as aeronaves mais autônomas, leves e energeticamente eficientes. Um percurso composto por janelas, corda, obstáculos em forma de “macarrões” de piscina, QR codes, túnel de vento, argolas e regiões de pouso no solo, parede e teto, foi feito por drones de diferentes níveis de autonomia: baixo, intermediário e completo. Quanto menor a massa do drone e a potência da bateria utilizada, maior o placar. “Conseguimos fazer nosso micro drone voar dentro de um túnel de vento ligado, com velocidade de 24 km/h e optamos pelo nível intermediário de autonomia. Com o conhecimento obtido, focaremos no nível completo de autonomia para a IMAV2019 e iremos em busca de resultados ainda melhores”, reforçou o Prof. Eduardo Costa da Silva, coordenador da AeroRio, que destaca ainda que a maior parte da equipe é de alunos de graduação, enquanto que os demais concorrentes eram times formados majoritariamente por pós-graduandos.

A IMAV 2018 combina uma conferência científica com uma competição de voo, sendo uma oportunidade para grupos de pesquisa internacionais compartilharem seus conhecimentos com uma audiência global. Acadêmicos e engenheiros apresentaram suas mais recentes pesquisas de projeto e aplicação de drones de última geração, por meio de artigos científicos, cujos temas variaram desde pesquisa básica até inovação tecnológica interdisciplinar e o uso de drones em diversos campos. A AeroRio apresentou três artigos na conferência: “Otimização topológica aplicada ao desenvolvimento de um frame compósito de MAV’s pequenos e leves” (de autoria de Thiago Rodrigues da Costa, Marcos Pereira Caldas, Pablo Milheiro Novaes de Araújo e Eduardo Costa da Silva), “Soluções baseadas em visão computacional para detecção de alvos e controle de voos de MAV’s” (de autoria de Manoel Feliciano da Silva Neto, Guilherme Siqueira Eduardo, Eduardo Costa da Silva e Wouter Caarls), e “Influência de materiais-alvo e fontes de perturbações na acurácia e precisão de sensores de distância para aplicações em MAV’s”(Renan de Lima Simões Mondego Vilela, Henrique Pinheiro Saraiva, Erico de Souza Prado Lopes, Rodrigo Camargo Martins Pires e Eduardo Costa da Silva). Esta participação na competição permitiu a expansão do escopo da AeroRio/PUC-Rio, que passa a conduzir atividades de pesquisa, abrindo espaço para a realização de trabalhos de mestrado e doutorado associados.

De acordo com os alunos da AeroRio, a IMAV deu a eles o privilégio de acompanhar de perto o estado da arte da tecnologia para drones, além de competir e colaborar com alguns dos principais grupos de pesquisa do mundo: “Tivemos o prazer de ver ao vivo demonstrações do Black Hornet, um micro drone das forças armadas da Austrália, e da revolucionária Delfly Nimble, da Universidade de Delft, que busca mimetizar as características de voo de uma mosca de frutas, utilizando o conceito de flapping wings”, conta Marcos Caldas, aluno do Departamento de Engenharia Mecânica do CTC/PUC-Rio e um dos sete integrantes da AeroRio presentes na competição.

O projeto da AeroRio/PUC-Rio para a IMAV 2018 começou em março deste ano, enquanto que  outras equipes concorrentes já se dedicavam aos seus drones desde o ano passado. “Os objetivos traçados foram plenamente alcançados. Estamos fomentando na PUC-Rio o desenvolvimento dessa importante área de pesquisa, que se encontra em franca expansão no cenário nacional e internacional. Vislumbro a AeroRio tornando-se uma referência no desenvolvimento de drones inteligentes nos próximos anos”, afirma o coordenador da equipe.

image009

image008

image010