Como inserir espaços verdes em centros urbanos?

Como deixar a cidade menos cinza e mais verde? Os jardins verticais são intervenções paisagísticas montadas em painéis acoplados a paredes internas ou externas de edifícios e foram criados para amenizar a falta de áreas verdes nas grandes cidades. Um de seus principais benefícios é a melhora na qualidade do ar: o sistema funciona como um purificador atmosférico capaz de reduzir cerca de 30% dos gases poluentes do entorno.

A edificação na qual a parede verde é instalada também leva vantagens, a exemplo de um significativo aumento em seu desempenho termoacústico. Isso acontece principalmente porque, ao contrário das fachadas recobertas por heras e trepadeiras que sobem desde o solo em contato direto com o edifício, o jardim vertical é formado por plantas alocadas em painéis distanciados da construção. Além de evitar problemas relativos a umidade, a estratégia forma um colchão de ar que atua como isolante, impedindo a transferência de calor ou frio, bem como de ruídos, de fora para dentro do prédio. Por meio da evapotranspiração e da fotossíntese, a cobertura vegetal também diminui a amplitude térmica no interior do edifício. Consequentemente, ganha-se conforto e reduz-se o consumo de energia com aquecimento ou refrigeração.

Acredita-se ainda que, por sua capacidade de diminuição da temperatura ambiental, os jardins consigam atenuar os problemas criados pelas chamadas ‘ilhas de calor’ – áreas de cidades altamente urbanizadas que apresentam temperaturas mais elevadas em comparação com outras mais arborizadas.

Fonte: Techne