Manifesto à Nação Brasileira marca reunião da Frente Parlamentar da Engenharia

tadeu_mesa02

Presidente José Tadeu compôs a mesa da audiência, com o deputado Ronaldo Lessa e o presidente da FNE, Murilo Pinheiro.

Promover acordos de leniência para as empresas envolvidas no escândalo da Lava Jato a fim de preservar a produção e o emprego no País, defender o conteúdo local e reverter a posição da Petrobras para a abertura de investimentos estrangeiros no Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj) estiveram entre as propostas debatidas e que  integraram deputados e senadores na manhã desta quinta-feira (9), durante a reunião da Frente Parlamentar Mista de Engenharia, Infraestrutura e Desenvolvimento Nacional.

CARTA À NAÇÃO BRASILEIRA

Com a presença de diversas entidades, o Conselho Federal de Engenharia e Agronomia (Confea), a Federação Nacional dos Engenheiros (FNE), a Associação Brasileira de Máquinas e Equipamentos (Abimaq), o Clube de Engenharia do Rio de Janeiro, a Federação Interestadual dos Sindicatos de Engenheiro (Fisenge) e a Federação Única dos Petroleiros (FUP) lançaram um manifesto à Nação Brasileira sobre os temas debatidos na audiência.

Ao início da reunião, o presidente do Confea, eng. civ. José Tadeu da Silva, ressaltou a importância da engenharia brasileira em todo processo de desenvolvimento nacional e a importância da criação da Frente para debater e fortalecer a presença dos engenheiros nos grandes temas do País.

Petrobras – Comperj
José Tadeu se posicionou contra a atual política de abertura de capital estrangeiro para investimentos no Comperj. “O governo não pode excluir a Engenharia brasileira dos investimentos no Comperj, conforme sugerido pela Petrobras. Como número um da representação da Engenharia do país, o Confea não vai se calar nesse momento”.

José Tadeu acrescentou que nenhum país vai crescer sem investimentos na Engenharia e pediu a mobilização das entidades de classe em torno dessa proposta.

O presidente da Frente, deputado Ronaldo Lessa (PDT-AL) também se manifestou contra o regime de contratação de empresas estrangeiras pela Petrobras e conclamou todos os presentes a lutar pela Engenharia nacional. “Precisamos fortalecer esse debate e nos posicionar e lutar contra aquilo que prejudica o crescimento e desenvolvimento do nosso País”, afirmou.

Federalização e carreira de Estado
Na ocasião, os presidentes da Frente Parlamentar e do Confea também relataram o andamento de temas como a federalização do plenário do Conselho Federal e a criação da carreira de Estado para engenheiros. “Estamos trabalhando intensamente para que essas pautas caminhem no Executivo e no Legislativo”, afirmou Ronaldo Lessa.

Malha ferroviária
A Frente aprovou também a realização de audiência pública no próximo dia 2 de março, tendo como tema a malha ferroviária nacional.

Participações

A reunião da Frente Parlamentar Mista da Engenharia, Infraestrutura e Desenvolvimento Nacional contou com as participações dos deputados Ronaldo Lessa, presidente da Frente; José Carlos Aleluia (DEM-BA), vice-presidente da Frente; Luiz Sérgio (PT-RJ), Assis Melo (PCdoB-RS), Edmilson Rodrigues (PSOL-PA), Rafael Motta (PSB-RN), Valdir Colatto (PMDB-SC), Leônidas Cristino (PDT-CE), Chico Alencar (PSOL-RJ), Marco Tebaldi (PSDB-SC), Carlos Zarattini (PT-SP), Davidson Magalhães (PCdoB-BA), Jaime Martins (PSD-MG) e deputado Paulo Teixeira (PT-SP) e os senadores Hélio José (PMDB-DF), Wellington Fagundes (PR-MT) e Lídice da Mata (PSB-BA).

Entre as lideranças da Engenharia presentes, os conselheiros federais Daniel Salati, vice-presidente do Confea; Alessandro Macedo, Lúcio Ivar do Sul, Afonso Bernardes e Edson Alves; o coordenador da assessoria parlamentar do Confea, José Demétrius Vieira; os presidentes dos Conselhos Regionais de Engenharia e Agronomia do Distrito Federal, Flávio Correia; Minas Gerais, Jobson Andrade; Acre, Carminda Pinheiro, e Rio Grande do Norte, Modesto Santos, além do presidente da Mútua, Paulo Roberto Guimarães, e do superintendente de Integração do Sistema, Cláudio Calheiros, e do assessor do gabinete da presidência do Confea, José Gilberto Campos.

Fonte: Confea