Reunião do Colégio de Presidentes em Aracaju

Presidente Arício Resende (Crea-SE), presidente da Mútua, Paulo Guimarães; presidente da Febrae e do Confea, José Tadeu da Silva, coordenador do Colégio de Presidentes, Modesto Santos, e presidente do Crea-AP, Laércio Aires, na mesa de trabalhos da reunião do Colégio de Presidentes

“Havia um grande apelo da sociedade, em face do envolvimento de profissionais da Engenharia com diversos escândalos como a Lava-Jato, para que tomássemos uma atitude para punir os profissionais que tivessem má conduta ou estivessem envolvidos em escândalos ou crimes infamantes”. A afirmação do presidente da Febrae e do Confea, eng. civ. José Tadeu da Silva, na abertura da reunião do Colégio de Presidentes, na manhã desta quarta (31),  em Aracaju, reforça uma posição já manifestada após a aprovação da resolução, em abril.

Presidente Arício Resende (Crea-SE), presidente da Mútua, Paulo Guimarães; presidente da Febrae e do Confea, José Tadeu da Silva, coordenador do Colégio de Presidentes, Modesto Santos, e presidente do Crea-AP, Laércio Aires, na mesa de trabalhos da reunião do Colégio de Presidentes

Presidente Arício Resende (Crea-SE), presidente da Mútua, Paulo Guimarães; presidente da Febrae e do Confea, José Tadeu da Silva, coordenador do Colégio de Presidentes, Modesto Santos, e presidente do Crea-AP, Laércio Aires, na mesa de trabalhos da reunião do Colégio de Presidentes

Segundo José Tadeu, por meio da Resolução 1090/2017, a sociedade agora tem esta garantia do Sistema Confea/Crea em defesa da ética profissional para que os maus profissionais tenham seus registros cancelados nesses casos, após, é claro, o amplo direito de defesa,  uma vez que não somos um tribunal de exceção.

O tema foi tratado também durante uma entrevista dos presidentes José Tadeu da Silva e Arício Resende (Crea-SE) ao Bom Dia Sergipe, da Rede Globo. Durante seis minutos, os dois ressaltaram a importância da discussão da resolução que pune profissionais por crime infamante e envolvimento em escândalos.

“A resolução 1090 vai estar na pauta da reunião porque havia a necessidade de regulamentar o artigo 75 da nossa lei, que prevê o cancelamento do registro nesses casos. Vamos agir nessa direção da exigência da boa engenharia, na prática do bom exercício profissional e também na conduta profissional”, comentou o presidente da Febrae e do Confea.

Presidentes Arício Resende (Crea-SE) e José Tadeu (Febrae / Confea) em entrevista ao Bom dia, Sergipe

Presidentes Arício Resende (Crea-SE) e José Tadeu (Febrae / Confea) em entrevista ao Bom dia, Sergipe

A reunião de Aracaju também pretende debater a situação da engenharia no atual cenário político-econômico do País, a obrigatoriedade da adoção do Livro de Ordem pelos Creas no controle das obras e serviços de Engenharia.

Para o presidente do Crea-SE, Arício Resende, a reunião buscará uniformizar os procedimentos, a fim de trabalhar como um sistema único, e não de forma isolada. “É um espaço importante para discussão, avaliação e tomada de decisões políticas e institucionais, cuja relevância abrange, pontualmente, todos os Crea. Dessa forma,  todos nós, presidentes, podemos conhecer a realidade de outras regiões. Temos assuntos importantes que precisam ser dialogados com todos”, comentou.

Fonte: Equipe de Comunicação do Confea com informações da assessoria de comunicação do Crea-SE